14.12.09

gramaticando


entrei na floresta das palavras
para colher e te trazer este poema
caminhei com sentidos apurados
atento aos perigos malfalantes
afastei as orações subordinantes
e abati os atributos afiados

lutei contra verbos tresmalhados
em combate organizado e paciente
procurando a beleza que pretendo
colocar nesta escrita inconsistente
que quero oferecer-te mal podendo
em papel de celofane transparente

bebi em charcos enlameados
por substantivos comuns envenenados
que poluíram as letras que escrevia
expurguei os artigos indefinidos
que nos tolhem, sem sentirmos, os sentidos
e nos deixam em profunda agonia

por ti, rasguei folhagem de gramática
escondi-me atrás da pragmática
misturei-me nos vocábulos da multidão
por ti, contornei morfologias
engendrei caligrafias
cultivei a abstracção
por ti, inventei a linguagem
para embarcar nesta miragem
e entregar-te a minha criação

2 comentários:

Sonia Schmorantz disse...

Entregas à blogosfera um poema muito bonito, fez mágica com as palavras que encontrou!
abraço

SONHADORA disse...

AMEI
MAS NÃO PODEMOS FAZER DA VIDA APENAS UMA MIRAGEM...

BEIJO