3.11.11

sem luzes




apagam-se as luzes todas
vedam-se as linhas milimétricas
por onde as trevas se podem libertar
e de mãos fechadas agarramos a noite
pintando as paredes de alcatrão
onde deixamos os pensamentos aterrarem em manobras de diversão
evitamos o esvaziando do negro que queremos nosso
e a cama, um lago escuro
reflecte os sentidos que se banham em alerta
apagam-se as luzes todas
e o teu cheiro perde vergonhas
despindo-se do teu corpo para me vir perfumar
sinto de olhos fechados, os teus dedos a brincar
sinto o sorriso nos teus lábios conquistados pelos beijos
que, esvoaçantes em torno do desejo
se deixam ardentemente morrer
sinto a tua pele arrepiada
sinto o teu cabelo alisado por conversas
sinto o coração perto da boca
e a tua boca com palavras afogadas, tentando sobreviver

apagam-se as luzes todas
e os teus olhos acesos
encandeiam a noite
que fizemos acontecer

4 comentários:

Princesa do Mar disse...

As luzes apagam-se, a paixão acende-se e a magia do momento acontece!

NunoG disse...

às vezes, Princesa do Mar... Obrigado pelas tuas palavras...

Anónimo disse...

a doçura das tuas palavras é impressionante, nesta tradução de sentires.
poder vir aqui ler-te, é um bem mais que precioso.
beijo, Nuno.

pianissima :)

NunoG disse...

mais uma vez o meu OBRIGADO, "pianissima"... beijo!