30.10.12

Às escondidas








Morreu de noite
Às escondidas
Para não incomodar ninguém
Voou, engolindo o tempo
E o outono embalou seu corpo
Como se fosse folha amarela caindo devagar
Ela desistiu de esperar
Pela primavera

Enquanto eu dormia
Saltou para o infinito
Nem um grito deu
Nem uma palavra se libertou
Para hoje, se contarem histórias
Voou, engolindo o ar
Que lhe faltou na vida
Sorriu
Com o frio que lhe feriu as veias
Partiu
Às escondidas
Para não incomodar ninguém

Enquanto eu dormia
Chegou a morte
Para ela
Pela janela
Com tudo o que tem de puta
Com tudo o que tem de bela

NOTA: Uma noite destas, morreu Alge. Tinha 25 anos, caiu da varanda, junto à minha janela...

3 comentários:

Anónimo disse...

:(
talvez seja um sinal para ti...escreveres e apreciares mais a vida, quiçá...

NunoG disse...

sinal para mim?

Anónimo disse...

sim, o de teres tido essa morte tão perto de ti... quiçá...