30.10.12

banho-Maria


Estou em banho-Maria
E a Maria, com a habitual ousadia
Está comigo.
Banho de água tépida
Beijando o seu umbigo
Círculo primoroso
Perigoso
Desenhado por Deus, a compasso.
Os seus seios, perfeitos, navegam
Gaivotas esfomeadas
Que com bicos em alerta
Furam ondas delicadas
Procuram minhas mãos
Submersas
Afogadas em espumas de ternura
Determinadas em esconder os pecados

O banho-onde-Maria me rouba o siso
É às vezes também salgado
Alimentado por desejos
Que dos olhos brotam
Por ela simplesmente estar
Num banho morno
Com o seu contorno
A transbordar, a tocar
A minha pele molhada
Como se uma horda de borboletas
Fosse capaz de mergulhar

1 comentário:

Anónimo disse...

:)