26.3.09

saudade quase perdida


Cansado de correrias,
tarde o Fado adormeceu,
quando por fim encontrou,
quem por pouco ele perdeu.

Toda a noite ele a sentiu.
Ouviu um gemido na esquina,
cheirou-lhe o perfume, por perto,
correu ao encontro da sombra,
provou o sabor duma sina.

Chorou por toda a cidade,
gritou bem alto por ela,
quando por ilusão ou desejo,
viu-a sorrir, à janela.

Voou para ela, abraçou-a,
contou-lhe o segredo do Fado.
a Saudade acreditou,
beijou-o ao de leve na alma
e adormeceu a seu lado.


(poema escrito para uma talentosa fadista que me ensinou a gostar de fado...)

6 comentários:

frAgMenTUS disse...

homenager, dedicar, mimar algo ou alguém através de poema é por si só um gesto delicado, bonito, e tu aqui fizeste-o ao Fado e à fadista, foi gentil :)
gostei da última estrofe e achei piada à estrofe do espreitar à janela
bj, dia feliz

Humana disse...

Está lindo o poema.
Adoraria ouvir o fado.
Beijinhos Nuno.

Nilson Barcelli disse...

Imaginei o canto do teu poema enquanto lia e acho que vai resultar muito bem se for cantado.
Gostei do poema, parabéns.
Abraço.

Branca disse...

Um poema é o presente mais lindo que alguém pode ganhar...nele sabemos estar implícito todos os sentimentos daquela pessoa por nós...seu carinho, sua ternura, seu amor...


Boa tarde pra vc,
bjo!

margusta disse...

Olá Nuno!

Um belo poema a ser musicado!...E a saudade...ai a saudade, quantas vezes adormecemos e acordamos com ela...

Um beijinho
Margusta

a.menina disse...

O poema é mesmo lindíssimo, fiquei muito curiosa para o ouvir cantado ..

Beijo