6.3.11

Cinzas

São cinzas de quarta-feira
As que tu em mim deitaste

Se a minha cidade te visse
Se por ti se inquietasse
Como eu me inquieto
Suores frios lhe corriam
Cruzamentos se perdiam
E da minha janela via
Privações de gente dispersa

São cinzas, recordações mortas
Jejum de flores e abraços
Quarenta dias rasgados
Que mal podem ser contados
Num cinzeiro-calendário

Se a minha cidade te visse
Como eu te imagino agora
Fechava-se, ia-se embora
Ou mergulhava no rio
E em hipotermia de nojo
Morria num luto frio

Como eu me inquieto
Por ti que tão mal sinto

1 comentário:

Susan disse...

"São cinzas, recordações mortas
Jejum de flores e abraços
Quarenta dias rasgados
Que mal podem ser contados
Num cinzeiro-calendário"

Perfeito!!!como sempre sua poesia encanta ....
Beijos
Susan