31.5.09

asa solta (voo IV)

(escultura: Maria Leal da Costa)

Asa solta também voa,
mas ficamos sempre à toa,
quando a vemos a chorar.
Passa por nós suplicando,
imagina-se voando
mas não tem onde pousar

2 comentários:

frAgMenTUS disse...

há sempre onde (re)pousar...mts vezes, é no abismo da solidão e da lágrima, no denso céu do sofrimento, na descrença, no desamor...mas só assim poderá sorrir perante vôos de anjo futuramente bem-amado como deus-alado, não em "asa solta" mas fundida.

bj mix solto/preso

Glória Müller disse...

Quando o voo é assim bem longe da terra, bem alto, costuma ser super livre e muito feliz... mas também pode significar uma queda maior! É sempre um risco, nunca sabemos ao certo!!!
Com carinho
Glória

Ah, deixa eu me apresentar... vim do blog Suaves Murmúrios. Espero não estar incomodando... abraços e obrigada!