24.6.11

beija-flor





- porque me olha assim?
- por causa desse jardim
que tem dentro do peito
- nota-se muito?
- só reparei porque sou um beija-flor
- voa então?
- quando não está vento forte
e em dia, o passaporte
para passar a fronteira
- asneira, amiga minha, asneira
ave já não usa isso
ave é livre
não tem qualquer compromisso
com país ou com bandeira
voa ao sabor do momento
levada por pensamento
caso seja sonhadora
- engana-se caro senhor
eu sou um beija-flor
com salvo-conduto acabado
e cérebro apequenado
onde já não cabe o sonho
reparei no seu jardim
pelo perfume no ar
e desejei ser uma flor
que aprendesse a beijar

2 comentários:

Baila sem peso disse...

que colibri mais doce!!...
um poema levezinho
com alma de passarinho :)

fica meu beijinho

NunoG disse...

beijinho "Baila sem peso"... de colibri ;)