1.2.11

Beijos atrasados


São lábios esgotados e dormentes
São secos e gretados por demora
Dos beijos cheios d'água apalavrada
Chovida em tormenta, a destempo
Trazida por passado, em engano

A acre espera de um beijo teu
Traz um sabor a mim do infinito
Encosta-se na alma em desafio
É eco do meu grito sufocado
Por letras mal escritas que perdeste

Eu tenho lábios presos por dois dedos
Calando as palavras terroristas
Que morrem com estrondo suicida
No céu resignado desta boca

Os beijos atrasados já não chegam
Os lábios esquecidos já descansam
Os dedos em castigo, eu liberto

1 comentário:

Susan disse...

UM BEIJO QUE QUER SER DADO
FICA GUARDADO EM DOIS DEDOS ,
AOS QUAIS SÃO LIBERTADOS COMO
DOIS PÁSSAROS....
BEIJOS
Susan