6.7.09

sombras


as sombras já não existem
porque o sol se recolheu
a lua mal apareceu
e escuridões diversas
com tonalidades dispersas
persistem em conversas,
fracas, mudas, apagadas,
frias, negras e cinzentas
cores à força retiradas
de paletas violentas

as noites reinam, tiranas
reprimem as cores humanas
galopam nos sentimentos
que em sufocados lamentos
contrapõem em motim

despertam-se então pensamentos
ao toque de clarim
com movimentos lentos
e sob ordem de sargentos
aparecem sonolentos
tentam acordar-se em mim

5 comentários:

Nanda Assis disse...

gostoso de ler este poema.


bjosss...

O Espelho da Nossa Alma... disse...

mais uma vez, é um prazer vir a este blog e deparar-me com tanta beleza,obrigada...
um bj

tania não desista disse...

oi,nuno! as noites são sempre bonitas...mas precisamos estar de bem com a vida ..senão a escuridão não tem bom efeito.
que os pensamentos acordem devagar...sonolentos ...e tragam surpresas boas! lindo poema!
abrç
taniamariza

KOTTA disse...

Olá e se a noite estiver inundada de belas estrelas mesmo com o sol recolhido e a lua escondida a tristeza já não era tão grande.Beijo amigo

Baila sem peso disse...

E a lua hoje tão bonita
veio espreitar este poema
ela com sua beleza acredita
que adoçará qualquer pena!
Deixando pensamentos
correr ligeiros como ventos
acordarem com doces alentos!

beijinhos de mim
na noite de lua
branquinha, de cetim