2.2.09

por vezes


Por vezes eu também choro,
Dá-me na alma a revolta,
De não estar sempre a teu lado
Por vezes eu também tremo
Sinto frio, dor e medo,
De me encontrar no abismo,
E só ser este o meu fado.

No auge do sofrimento,
Transformo isto num sonho!

Viajo célere no tempo,
Exorcizo o teu passado,
Ludibrio o teu presente,
Com futuro antecipado...

1 comentário:

frAgMenTUS disse...

enigmática, a 3ª estrofe...