8.2.09

desencontro

Por uma noite,
eu te senti.
Por uma noite,
vi teu olhar.
Por uma noite,
eu naveguei,
Nas ondas lindas
do teu mar.

Depois
(não sei porquê),
fugiste.
Senti-te,
um pouco atormentada,
talvez marcada,
algo perdida,
quem sabe até,
comprometida,
por provocar,
coisa mentida,
e não ser capaz
de a mudar.

Tentei achar,
um teu sinal.
Deixei mensagem,
num jornal.
Pedi à lua,
teu paradeiro,
te procurasse,
o dia inteiro,
seguisse até ao infinito,
para poderes
ouvir meu grito,
e resolvesses,
enfim,
voltar.

Voltar, de novo,
sem qualquer medo.
Compartilhar,
o meu segredo,
daquela noite de luar.

E numa noite,
quando chegares,
quero sentir,
o brilho bom do teu olhar.
E nessa noite,
quero ouvir
a tua voz a sussurrar.
Mais uma noite,
quero fazer
bater de novo o coração,
e no fim,
roubo-te um beijo,
para poderes ter a coragem
de me dizer enfim, que não.

1 comentário:

frAgMenTUS disse...

adorei este poema-canção, tão fluido, embalador, romantico...só no final não percebi o sentido do "não"...
parabéns, ficou mesmo lindo!